Cursos CEAM
Turmas presenciais
e EaD*
Mestrado,
Especialização
e Seminário
Novas turmas!
Faça sua inscrição
*Ensino a distância


traducao-da-biblia

“Motivados pela necessidade premente de que todos os povos tenham acesso à Palavra de Deus em uma língua que fala aos seus corações, e reafirmando nossos valores históricos e nossa confiança em Deus para realizar o impossível, abraçamos a visão de que até o ano 2025 um projeto de tradução da Bíblia estará em andamento para todo grupo de pessoas que o necessite.”

traducao-da-bibliaEsta declaração foi feita pela Aliança Global Wycliffe em junho de 1999, uma entidade que reúne uma centena de agências missionárias comprometidas com um alto padrão de tradução da Bíblia que não pode ser sacrificado mesmo diante da urgência de se fazer chegar aos corações dos povos a revelação escrita de Deus ao ser humano.

Apesar da urgência da tarefa, esta aliança não abre mão de uma tradução bíblica fiel ao significado original, mas também clara e natural para os leitores ou ouvintes das Escrituras em cada língua em que forem traduzidas. Para que este propósito seja atingido, é imprescindível o treinamento dos tradutores na ciência da tradução bíblica, a fim de que  sigam princípios desenvolvidos durante séculos de persistência na mais alta empreitada humana. Além  disso,  é necessário verificar, verso por verso, se de fato o significado pretendido pelo autor original está expresso em cada tradução.

Este alvo de empenhar todos os esforços necessários para que até o ano de 2025 haja um projeto de tradução pelo menos sendo iniciado em cada grupo étnico que ainda não tenha as Escrituras, foi desenvolvido e acordado entre estas agências missionárias.  Isso, porque no ritmo em que estava o processo de tradução naquela altura, demoraria mais 150 anos para suprir a necessidade de todas as línguas no mundo.

Hoje a urgência da tradução da Bíblia se manifesta apesar do número menor de línguas que ainda não possuem sequer um verso das Escrituras: em torno de 1.800, equivalente a mais ou menos 250 milhões de pessoas. Então, apesar do grande avanço da tradução no mundo inteiro, fazendo diminuir drasticamente o número de línguas sem Escrituras, ainda falta bastante. Além disso, há outro desafio, talvez muito mais sério.

Infelizmente, mesmo no meio de 1 bilhão e meio de pessoas que possuem alguma porção da Bíblia em suas línguas, 700 milhões delas com o Novo Testamento completo, nem todas elas têm acesso às Escrituras,  simplesmente porque falta fazer chegar a Palavra de Deus às vidas dos que se dizem seguidores do Senhor Jesus. Pior ainda, falta disseminá-la nas trevas, seja pelo evangelismo, seja pelo rádio, seja como for. Por isso, uma grande parte das Escrituras entre os  povos minoritários se tornaram Bíblias sem povo, isto é, as Escrituras são desconhecidas pelo povo porque os poucos que conhecem a Deus preferem usar as Bíblias nas línguas majoritárias, seja inglês, português, francês ou espanhol. Os mesmos cristãos que sentem o impacto emocionante de ler a Palavra em sua língua materna não fazem questão de usá-la para ministrar os estudos e pregações nas suas igrejas. Os mesmos cristãos que compreendem a Palavra muito mais profundamente na língua do coração acabam seguindo a multidão! Usam a Bíblia estrangeira nos cultos porque é mais “chique” e mais “civilizado” usar a língua do colonizador.

A realidade urgente da tradução é tão séria quanta a realidade urgente de empregar as Escrituras no dia a dia dos cristãos, na língua que fala ao coração!

Iniciamos pensando nos milhares de povos sem Bíblia, concluímos pensando nas centenas de Bíblias sem povo.

 

Timóteo Bachmann
Missionário da AMIDE com experiência em plantação de igrejas e tradução das Escrituras. 
Atualmente é Consultor de Tradução em treinamento.

Os comentários estão desativados.